Sitcom

Ou como escrever uma boa série de comédia- Parte I

Por Marcos Hinke e Jaqueline M. Souza

APRESENTAÇÃO

Primeiramente, devemos explicitar  o óbvio, não existe fórmula para o humor. Entretanto, é fundamental termos em mente que o humor ( ou a comédia)  é uma área de estudo há séculos e não devemos ignorar aqueles que pesquisaram e desvendaram muitas das técnicas hoje aplicadas na construção da narrativa cômica. Ao ignorar isso, corremos o sério risco de acreditamos que estamos inventando a roda. Lembre-se também que o engraçado é subjetivo, mas o cômico é universal, por isso é fundamental trabalhar tendo as técnicas como base.  Assim, este artigo não é uma lista de regras que devem ser seguidas, mas um estudo das técnicas utilizadas há anos no formato sitcom  e que podem auxiliá-lo no seu processo criativo de escrita da sua série de humor.

 

O QUE É SITCOM ?

Sitcom ou situation comedy (comédia de situação) é um formato de série no gênero comédia centrada em um grupo de personagens que costumam frequentar os mesmos locais, seja o ambiente de trabalho, a casa de um deles, um café, bar, etc. Os personagens se envolvem em situações cômicas que devem resolver. Normalmente as sitcoms seguem o formato de meia hora (ou 22 minutos, mais 8 minutos para comerciais) com uma estrutura de 3 atos. Podem incluir um teaser pré créditos e uma cena de encerramento com uma gag final após a resolução de todos os conflitos do episódio.

 

A sitcom tem origens nos teatros cômicos, principalmente na Comedia Dell'Arte. Na década de 20, já podemos encontrar obras com o mesmo formato narrativo nas rádios americanas, com radiodifusão dentro de programas de variedade e com enorme sucesso entre os ouvintes. Com o surgimento da televisão, não demorou muito até que o formato fosse desenvolvido para as telas, sendo o marco inicial do sitcom na televisão, a série britânica Pinwright's Progress, em 1947.

 

Sitcoms clássicas como I love, Lucy, The Cosby Show  e Dick Van Dyke Show desenvolviam poucas histórias por episódio e giravam em torno do protagonista e sua relação com outros personagens ou com uma situação inusitada. Já as sitcoms modernas costumam contar com um grupo maior de personagens e os episódios são multi tramas, é só pensar em um episódio de Seinfeld ou How I met your mother, onde os roteiristas agrupam os personagens em duas ou três storylines que se entrelaçam de alguma forma no final, ou em Modern Family, que em todos os episódios os núcleos familiares tem histórias diferentes desenvolvidas em um período de 22 minutos.

 

 

Dick Van Dyke Show, sucesso da tv americana lançado em 1966.

FORMATOS

As comédias de meia hora podem ser subdivididas em dois formatos técnicos, Single Cam (uma câmera) ou Multi Cam (às vezes também encontrado como Three Camera), que definem muito as possibilidades narrativas das séries. No Brasil, o formato Multi Cam em Sitcoms é raro, apesar de ter produzido títulos de sucesso como Família Trapo, Sai de Baixo, Vai que Cola, sendo comum a substituição do estúdio pelo teatro para acomodar o público.

A Variety listou os pilotos em produção atualmente. Observe que para alguns programas a escolha do formato é tão importante que faz parte até da logline.

Multi Cam

Friends, Two and a Half Men, The Big Bang Theory

 

 

O formato não se distancia muito de uma peça de teatro, em um set construído, três câmeras são posicionadas no lugar da “Quarta Parede”, a parede invisível que separa os atores da plateia. Por contar com várias câmeras rodando ao mesmo tempo, os atores encenam toda a ação de cada cena de forma ininterrupta, ao contrário do formato single cam, que é filmada plano a plano.

 

Nos EUA e Inglaterra é bem comum ter uma plateia assistindo as gravações e suas risadas utilizadas na faixa de áudio. No Brasil é bem comum a utilização da faixa de áudio das risadas em programas como Toma lá da cá; porém é apenas uma reprodução das risadas, sem a presença de um público real ( muitas vezes pode haver inserções de imagens de uma plateia, mas nem sempre ela realmente assistiu a gravação do episódio). Por se tratar de cenários construídos e contar com a presença de público, as séries se passam em um número limitado de cenários com pequenas variações em alguns episódios.

 

Exceções:

How I Met Your Mother é uma excessão no modelo de Sitcom Multicam. Isso, porque ao brincar com as mudanças temporais da narrativa, a história de cada episódio não faria tanto sentido para uma plateia ao vivo. Então a série é filmada no modelo MultiCam, mas sem plateia ao vivo, e posteriormente, após a edição, o episódio inteiro era exibido para uma plateia e a Faixa de Risos era gravada e inserida no programa para ir ao ar.

 

 

O que isso muda para o roteirista?

Narrativamente, o formato MultiCam é escrito como se fosse uma peça de teatro ( não na formatação, mas na conceituação). Isso quer dizer, que as gags são muito mais faladas, e as sequências são pensados com o elenco entrando e saindo de cena.

 

Na formatação, o MultiCam tem algumas pequenas diferença do Padrão Master Scene de cinema. Primeiro, toda a ação é descrita em caixa alta. Também pode existir abaixo do cabeçalho uma indicação dos personagens em cena, assim como no teatro. Também é descrito no roteiro o final de cada ato, costume por conta da necessidade de delimitar a inserção dos breaks comerciais. Veja o exemplo:

 

 

Cena de Friends que ilustra a formatação do roteiro no MultiCam

Single Cam

Scrubs, Modern Family, Malcom in the middle, Unbreakable Kimmy Schimth, 30 Rock, New Girl

O título “câmera única” se refere ao formato e não exatamente ao número de câmeras utilizadas, os títulos técnicos não são regras a-la-Dogma 95, a principal peculiaridade da single cam é que ela é feita sem público e com um estilo mais “solto” em sua decupagem e edição, dando um ar mais cinematográfico a obra. A estética do formato se aproxima da estética dos filmes, com uma mise-en-scéne mais elaborada, onde cada tomada é planejada. O formato também permite uma maior variedade de ambientes e até o uso de locações reais. Porém, pode ser mais custoso de ser produzido por uma série de fatores, como por exemplo, o tempo de gravação, que é bem mais demorado que o multi cam.

 

O que isso muda para o roteirista?

Narrativamente, o formato SingleCam permite mais gags de linguagem, como revelar personagens até então omitidos na cena, piadas através da edição, justapondo cenas para criar efeito cômico, além de explorar melhor.

 

Na formatação, o SingleCam é escrito exatamente no padrão Master Scene de cinema. Veja o exemplo:

Cena de 30Rock, formatação padrão Master Scene para o SingleCam

No próximo artigo, vamos estudar a estrutura mais comum do sitcom e os arquétipos mais utilizados na construção dos personagens. Até lá!

logoemail.png